May 10, 2010

Five things that we can only learn from filmming | Cinco coisas que só se aprende filmando

It's official: I'm exausted. It seems that I'm studying Filmmaking for at least a month and there's only been a week! I've learned more than I could ever imagine in such a short time.

Today we've finished filmming our first projects. We've had two days to do that. The course works like this: during the weekend you learn how to do things (operating the camera, setting the light, production, permits, casting). On Sundays and Mondays, you practice what you've learned. There's no resting day. We just go on 24/7.

My crew has three people (counting with me). So we've shooted 3 projects (one for each). We have to carry all the equipment ourselves! It's heavy. Three girls on the road: one Brazilian, one Spanish and one Philippine. What an international crew, can you imagine us talking to each other?

But let's cut to chase. Our task was directing a shot to visually tell a story (beginning, middle, and end) in 30 seconds to 1 minute. A shot means everything filmed between turning on and off the camera. So you can have a close-up and a wide framing on the same called shot.

Seems so easy but it can become a nightmare. You have to pay close attention to the choice of lenses, distances, and angles. We have to rehearse a lot the shot for blocking of actors and camera until the scene works without needing to stop. Only then we should roll film. So we're talking about one hour to decide where to put the camera, setting the light and all the stuff. Plus at least one hour to rehearse with the actors for the camera.

They tell us we should use just one roll of black and white film, but I used two to be sure I'll have something reasonable after developing it. Each roll has 100 feet or 2 minutes and 45 seconds. So short! Goes like a snap of fingers.

(Just for you to know: there's no cameras with automatic focus. We have to do everything manually.)

So here's five things that I've learned from shooting:

1) The word "simple" gained a whole new meaning to me. Cause first, as a screenwriter, I thought only of the story not on how can it could actually be shooted. Now, operating the camera, measuring light, setting the focus and all that hard stuff made me realize simple is something that I'll have to get used to do.

2) Since we have to rotate in all the positions (screenwriter/director, director of photography and assistant camera) now I know what each one does. And the most important: I'm growing a huge respect for DPs and ACs. Trying to do what they do has been enlightening. Thanks God they exist!

3) Always set the speed of the Arriflex camera before loading it with film or you'll loose a lot of footage. Use a dummy load to do that since the camera has to be running in order to set. Another possibility is just get a camera with fixed speed. Trust me, if you ain't gonna use a different speed why having it on your camera?

4) Check if the reverse button is off. (That was our first huge mistake yesterday.)

5) Before going to the location double check if all the equipments are on the car. (One hour after arriving at the location we've realized that we've left the camera battery at home. We've lost one hour and a half at the traffic just to go back and get it.)

Other things that might be interesting:

1) We can know if the camera was loaded properly only by the sound the film does when is running inside the equipment. It's like a sewing machine.

2) Always be kind to the actors, specially when you're not paying them.

3) I think everything went fine with my project but I'll only be sure after viewing the developed film. Filmmaking is like that: lots of work, fun, pleasure and surprises.

---

É oficial: estou exausta. Parece que estou estudando cinema há pelo menos um mês e não há apenas uma semana! Eu aprendi mais do que jamais poderia imaginar em tão pouco tempo.

Hoje terminamos de filmar nossos primeiros projetos. Tivemos dois dias pra fazer isso. O curso funciona assim: durante a semana você aprende a fazer coisas tipo operar a câmera, armar a luz, produzir, fazer casting e outros). Aos domingos e segundas-feiras, você pratica o que aprendeu. Não há dia de descanso. A gente vai direto os 7 dias da semana.

Minha equipe tem três pessoas (contando comigo). Então nós filmamos os três projetos (um de cada). Temos que carregar todos os equipamentos! É pesado pra burro. Três garotas: uma brasileira, uma espanhola e uma filipina. Eita equipe internacional, imagina a gente conversando!

Mas vamos direto ao ponto. Nossa tarefa era dirigir um shot contando visualmente uma história (começo, meio e fim) de 30 segundos a 1 minuto. Um shot significa tudo que é filmado entre ligar e desligar a câmera. Então você pode ter um close-up e uma paisagem nesse mesmo shot.

Parece tão fácil, mas pode se tornar um pesadelo. Você tem que prestar muita atenção à escolha das lentes, distâncias e ângulos. Nós temos que ensaiar muito para marcar a cena para os atores e a câmera até que tudo funcione sem a necessidade de parar ou cortar. Só então devemos rodar o filme. Então, nós estamos falando de uma hora pra decidir onde colocar a câmera, a configuração da luz e todas essas coisas. Mais pelo menos uma hora pra ensaiar com os atores para a câmera.

Eles nos dizem que devemos usar apenas um rolo de filme preto e branco, mas eu usei dois para ter certeza de que terei algo razoável depois de revelado. Cada rolo tem 100 pés ou 2 minutos e 45 segundos. Tão curto! Vai como um estalar de dedos.

(Só pra você saber: não há câmeras com foco automático. Temos que fazer tudo manualmente.)

Então aqui vão cinco coisas que eu aprendi nas filmagens:

1) A palavra "simples" ganhou um significado completamente novo pra mim. Porque em primeiro lugar, como roteirista, eu só pensava na história, não como poderia realmente ser filmada. Agora, operando a câmera, medindo a luz, definindo o foco e tudo o mais me fez perceber que o simples é algo que eu vou ter que me acostumar a fazer.

2) Uma vez que nós temos que nos revezar em todas as posições (diretor/roteirista, diretor de fotografia e assistente de câmera), agora eu sei o que cada um faz. E o mais importante: agora tenho um respeito enorme pelos DFs e ACs. Tentando fazer o que eles fazem tem sido esclarecedor. Graças a Deus que eles existem e eu não preciso fazer isso na vida real!

3) Sempre definir a velocidade da câmera Arriflex antes de carregá-la com o filme ou perde um bocado de filme (literalmente "queima o filme" rsrsrs). Use uma filme de teste pra fazer isso já que a câmera tem que estar rodando com filme pra acertar isso. Outra possibilidade é só pegar uma câmera com velocidade fixa. Confie em mim, se você não vai usar uma velocidade diferente porque tê-la em sua câmera?

4) Verifique se o botão de reverso está desligado. (Esse foi o nosso primeiro grande erro de ontem.)

5) Antes de ir pra locação verifique se todos os equipamentos estão realmente no carro. (Uma hora após chegar ao local é que fomos perceber que tínhamos deixado a bateria da câmera em casa. Perdemos uma hora e meia no trânsito só pra voltar e buscá-la.)

Outras coisas interessantes:

1) Nós podemos saber se a câmera foi carregada corretamente apenas pelo som do filme faz quando está rodando dentro do equipamento. Parece uma máquina de costura.

2) Seja sempre gentil com os atores, especialmente quando você não está pagando.

3) Eu acho que tudo correu bem com o meu projeto, mas eu só vou ter certeza depois de ver o filme. Cinema é assim: muito trabalho, diversão, prazer e surpresas.

2 comments:

Lucia Zaidan said...

Gabi que legal que vc está ralando por aí.
Curte muiito, eu posso imaginar o perrengue que você está passando por que na faculdade era a gente que carregava tripé, câmera, luz aff jisuis.
Realmente saber o trabalho quec dá muda bastante na hora de escrever o roteiro. Quero ver esses curtas hein
bjooo

The Film Connoisseur said...

So helpful...

Post a Comment